Padres

Pe. Giuseppe Sometti

Padre Giuseppe Sometti conhecido entre nós como Padre José Sometti, nasceu aos 17 de março de 1935, a 15 Km. de Verona, na cidade de Illasi, na Itália.

Desde jovem, duas coisas o entusiasmavam: a oração, como meio de atingir a plenitude e o futebol, esporte do qual foi líder entre seus companheiros e componente de time profissional. No entanto, embora estimulado por isso, não se sentia satisfeito só com o esporte sentindo sempre um vazio no seu interior. Analisando-se intimamente, aos 19 anos, deixou sua casa, sua cidade e seu time, para seguir o caminho de Deus.

Retomou os estudos que havia abandonado anos antes e concluiu o ginásio e o segundo grau em cinco anos, praticamente como autodidata. Em seguida, estudou teologia, ordenando-se sacerdote em 24 de maio de 1965, dia de Nossa Senhora Auxiliadora.

Nesta caminhada sempre se dedicou ao trabalho com adolescentes, em retiros espirituais, em acampamentos de estudo estivos e invernais, exercendo também a função de vigário auxiliar de algumas paróquias.

Atendendo a um pedido do saudoso Papa João XXIII, sentiu-se chamado a um trabalho pelo reino de Deus na América Latina e, então, em 14 de Abril de 1973, chegou, juntamente com um diácono e um sacerdote ao Brasil, estabelecendo-se na cidade de Santo Anastácio, estado de São Paulo.

Em seguida, o Bispo de Presidente Prudente designou-o para uma região muito pobre no interior paulista, Rosana, onde providencialmente, aplicou conhecimentos práticos de medicina, adquiridos num treinamento ministrado para missionários na Itália, dada a precariedade da situação de saúde das famílias daquela região.

De 1979 a 1984 dedicou-se ao magistério e à pesquisa, tendo sido professor e pesquisador no CLAP (Centro Latino Americano de Parapsicologia) e na APPAR (Associação de Pesquisa parapsico-religiosa) de Guarulhos, fundada por ele mesmo.

Cursou Pós-Graduação em Teologia e Psicologia clínica na FAE, em São Paulo, em 1983. Nessa ocasião, instalou-se em Guarulhos trabalhando na Paróquia de São Francisco. Ao mesmo tempo, passou a ministrar cursos de Psicologia aplicada e noções de Parapsicologia, em São Paulo e em outras capitais do Brasil, bem como em sua terra natal, a Itália.

Em 1986, o Pe. Sometti começou a fazer com Frei Jaime algumas rondas noturnas em São Paulo à procura de crianças abandonadas, estabelecendo com elas um relacionamento amigável e paterno. Uma noite, algumas delas não queriam deixa-lo, aliás, pediam-lhe, com seu olhar angustiado e através de uma palavra confiante, para que as levasse consigo. Ele se sentiu tocado pela situação desses pequenos desamparados e desejou fazer por elas algo de mais concreto. Cercou-se de um grupo de voluntários iniciando assim seu primeiro trabalho em favor dessas crianças.

Como psicólogo e acima de tudo como sacerdote a serviço do Senhor, o padre Sometti, conhecedor um pouco da alma humana, compadeceu-se desses pequeninos seres pedindo a Deus que fizesse algo por eles. Deus que é Pai de todos nós atendeu o pedido. Nessa ocasião, uma seqüência de fatos foi se desenrolando… Dona Zica Borba, itapetiningana piedosa e muito caridosa, há tempo, desejava deixar para alguém um terreno, onde se construísse um abrigo para crianças abandonadas.

Assim surgiu, naquela propriedade, em setembro de 1989, a ANSPAZ (Associação Nossa Senhora Rainha da Paz – Talita Kum) que cresceu envolvendo atualmente mais de 600 pessoas nas suas mais variadas atividades, repartidas em tantas unidades de serviço.

Não é raro ver, aos domingos, o Padre Sometti acolher famílias ou fiéis que o procuram para uma orientação espiritual ou mesmo para dar-lhes um rumo firme as suas vidas; isto ele faz com todo amor e carinho.

O padre José, como o chamam as crianças, é escritor, faz palestras e ministra cursos de auto ajuda sendo para isso requisitado em muitas cidades brasileiras e até no exterior para onde ele viaja constantemente. Suas fitas e CD’s de relaxamento são muito procuradas, porque trazem muita paz ao coração e ajudam a encontrar em si a consciência espiritual.

O Pe. Giuseppe Sometti continua prestando relevantes serviços à comunidade de Itapetininga, sobretudo aos mais carentes que podem ver nele um bom conselheiro e um grande amigo. Tornou-se conhecido entre nós pela sua piedade, humildade e bondade no trato com suas crianças e jovens, bem como, na orientação firme e segura dada aos dependentes químicos e seus familiares.

PALAVRA DO BISPO

Dom Gorgônio

Eterna é a sua misericórdia!

FACEBOOK